Soirées Littéraires | Todos os Homens São Mortais – Simone De Beauvoir

Soirées Littéraires | Todos os Homens São Mortais – Simone De Beauvoir

Evento bimestral da Aliança Francesa de Curitiba e Marcelo Almeida Cultura.
Venha discutir com Marcelo Almeida e demais participantes obras da literatura francesa e francófona.

Como funciona o evento:

  1. É selecionada uma obra francófona. Este mês:  Todos os Homens São Mortais – Simone De Beauvoir
  2. O público interessado faz inscrição e pode emprestar a obra na secretaria da AF;
  3. O publico inscrito pode ler a obra até o dia do evento;
  4. No dia do evento, os participantes debatem, conversam sobre a obra;
  5. Após o evento, os participantes devolvem a obra.

Data: 12.12.2019
Horário: 19h30
Local: Café Babette
Informação: 3223.4457 ou contato@afcuritiba.com.br 

INSCRIÇÕES GRATUITAS

Sinopse: Simone de Beauvoir mostra a passagem dos séculos através de um mito sobre o existencialismo humano e a dádiva da finitude. Como seria a vida imortal de um homem vivendo entre mortais? A forma como nos é mostrada a obra conduz o leitor a indagar sobre essa busca constante do ser humano em permanecer presente no mundo, porém, não o faz de acordo com o imaginário coletivo, de que seria algo benéfico, muito pelo contrário. Beauvoir é extremamente eficiente em demonstrar o quanto a imortalidade seria muito mais uma maldição do que uma dádiva. O personagem principal da história, Fosca, rei de Carmona, nasce no ano de 1279, e após trágicos acontecimentos é “amaldiçoado” por essa condição de imortalidade. O romance conta com personagens secundários que fazem o papel de passagem do tempo, ao mesmo tempo que sabendo da impossibilidade de morrer de Fosca, sentem inveja (inveja esta que só se prova um equívoco com o passar das Eras). A escrita, como era se esperar de Beauvoir, é excelente, e apesar de carregada de simbolismos excessivos em determinados momentos, mostra que nossa finitude torna tudo mais interessante, e que grandes feitos, com o passar do tempo, tornam-se cada vez mais apenas lembranças sem sentido.